sábado, 10 de janeiro de 2009

Mu lher




Mulher

Mulher minha

Mía mulher

Minha

Mulher,

_


Vou atirar uma bomba ao destino*

_

Aquele que não quero seguir

Aquele que me recuso ceder

Aquele cujo passado me foi revelado

Aquele cujo futuro me é negado

Aquele cujo presente já não representa nada

Não pra mim

Vou me recusar a aceitar o destino

Determinado por aqueles que não sabem nada de mim

O que aprendi e tudo que teci

Foge largamente do destino que

Prepararam pra mim

Numa mesa que sentar não escolhi

Num lugar que viver não pretendi

Não entendo de lares

Não entendo de proposições e intricadas relações familiares

Por isso

Vou atirar uma bomba ao destino

O destino reservado por alguns a mim

Não aceito as regras

Nenhuma daquelas que não seja feita por mim

Não aceito rendições

Não aceito conformismo

Por isso não posso aceitar

Que determinem um destino para mim

Sou um dharma por aí

Viajante só por mim

Não possuo segredos

Não vou me redimir

Não quero dogmas

Não entendo de cruzes

Não adentro templos

Lá não estão as respostas

Lá persistem os destinos

Um destino que não quero pra mim

Sou meu guardião

Sou real só de mim

Não gosto da fumaça, da água cruzada por dedos

Mãos que não compreendem

Começo , meio e fim

Não caminho por sobre seus degraus

Não aceitos suas meias-verdades

Porque só acredito no que está dentro de mim

Vou atirar uma bomba ao destino

Vou me partir em pedaços

E cada um deles será para viver

Sem crenças

Sem degredos

Sem o terror

Que um destino pré determinado marca

Vou me partir em desejos

Pois destino marcado

Não serve pra mim

Vou atirar uma bomba ao meu destino

Seguir adiante

No tempo que escolhi

Sem destino para mim.


_

_

* a frase é de Álvaro de Campos.

_

_

uma imagem de semimortal


1 comentário:

legivel disse...

... eu não faria tal, tendo em conta a minha inadaptidão para lidar com engenhos explosivos (recordo sempre o triste episódio quando me rebentou nas mãos vinte gramas de dinamite e perdi uns sapatos acabadinhos de estrear), mas que o destino, por vezes precisa de um abanão, ah, isso concordo em absoluto.

abraço.