sábado, 23 de maio de 2009

Contemplando


Água que por vezes não entendo.
Ora, me deixo levar em seus segredos
e sou condenado
ao demasiado pranto.
Ora, resisto, debato-me
no profundo medo
- brilho de um simples observar - ,
e assim, perdido, apenas contemplo
a esquina do seu olhar.
_
_uma imagem de Gosia Janik

4 comentários:

~pi disse...

noite profunda


velada




~

alice disse...

o primeiro verso é belíssimo. os meus parabéns. um beijo e bom domingo.

Ana Paula disse...

Um bonito pensamento em forma poética. ...que nos conduz a meditar nos mistérios da contemplação, a qual transcende a observação...

:))

sarasvati disse...

Para entender a água é necessário amá-la até ao fim.
Tudo o que se ama se cola a nós até nos piores momentos. E é possível olhar uma inundação como se admira a Força da Natureza Mãe.

Caso contrário, melhor não contemplar. Rezar para que passe.

Bem descrito. Bom dia!