quinta-feira, 14 de maio de 2009

Sonho em tempos inquietos



Sonho com a água. Límpida. Transparente.
Aquela que possa ser o contraponto.
Seco tem sido os dias.
Minhas mãos vazias, perdidas do nada.
O tempo não é paciente.
Deste sonho, tempo mal empregado, fiz um tempo inquieto.
A água, ausente, sono dos meus sonhos.
Não me quer acalentar.
Seco. Seco tem sido o tempo.
_
_
uma imagem de Prince Vlad

2 comentários:

Oliver Pickwick disse...

A aridez é um fato, sobretudo, no olhar coletivo sem egoísmos, explodindo em diversificados cultos ao próprio umbigo.
Mas ainda sou daqueles que acreditam que existem por aí fontes de águas sábias, límpidas e transparentes, e, capazes de acalentarem todos os sonhos.
Poesia de técnica preciosa, prezado amigo.
Um abraço!

Ana Gomes disse...

Estas palavras têm Magia... As Imagens têm Alma... Parabéns.